Anúncio

Paquistanesa cristã de 12 anos acusada de blasfêmia deixa a prisão

iG São Paulo


Rimsha Masih é escoltada até helicóptero um dia após tribunal definir fiança em 500 mil rúpias (quase R$ 11 mil)


A menina cristã paquistanesa Rimsha Masih, 12 anos, deixou a prisão neste sábado, um dia depois de um tribunal decidir por sua libertação sob fianças. Rimsha passou três semanas presa após ser acusada de queimar textos do Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos.


A menina deixou a prisão em Rawalpindi com o rosto coberto e foi escoltada até um helicóptero. A fiança foi definida no valor de 500 mil rúpias (quase R$ 11 mil).


O presidente da Liga Ecumênica do Paquistão, Sajid Ishaq, se mostrou confiante de que as autoridades, que na quinta-feira constituíram um comitê de alto nível para acompanhar o caso, proporcionarão "a máxima segurança" a Rimsha e a seus familiares.


Rimsha Masih foi detida no último dia 16 de agosto em sua casa do subúrbio de Mehrabadi, em Islamabad, após ser acusada por um vizinho de ter queimado - sem saber, segundo seu próprio depoimento - páginas do Qaida Nurani, um livro de instruções para aprender a ler o Alcorão.


O caso de Rimsha, que atraiu os olhares de organizações de direitos humanos e de vários Governos ocidentais, sofreu uma reviravolta no final de semana passado após a detenção do imame de uma mesquita de Mehrabadi por ter falsificado provas contra a menor.


Khalid Yadun foi preso no domingo após ser acusado por um de seus assistentes de alterar as evidências e pôr folhas arrancadas do Corão na bolsa que continha as cinzas do que foi queimado pela menina.


Com EFE


Postar um comentário

0 Comentários