Anúncio

Mesmo com explicações da Cesgranrio, concurso da Caixa ainda pode ser anulado







Imagem encontrada em diálogospolíticos




A experiência mal sucedida com o último concurso do Senado Federal parece se estender à seleção da Caixa Econômica Federal (CEF), realizada no último domingo (22). As suspeitas de fraudes no concurso público estão provocando cada vez mais rumores e, mesmo com a tentativa de acalmar os mais revoltosos, a Fundação Cesgranrio, organizadora do certame, não conseguiu abafar o fato de que a segurança foi falha no dia da aplicação dos exames objetivos e discursivos.





De acordo com o Correioweb, o presidente da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac), Ernani Pimentel, a explicação da organizadora é simplista. "Concurso público é coisa séria, o processo de organização tem que ser rigoroso. Com essas denúncias de fraude, eles demonstram que não foram bem treinados, a própria banca reconhece que a provas deveriam ficar 40 dias guardadas para evitar maiores problemas. O importante é que se faça a investigação, até mesmo para provar que não houve nada tão grave que prejudique a seleção", afirma.





Pimentel diz ainda que o certame deve sim ser anulado se as suspeitas forem comprovadas. "A organizadora diz que o descarte dos cadernos de provas aconteceu no dia seguinte à realização dos exames, o que não garante muita coisa. Mas, se isso for comprovado, ainda é melhor do que a idéia do descarte ter sido feito no próprio domingo, o que seria bem mais grave e implicaria na suspensão do concurso". 





O professor considera ainda que este é mais um episódio que exemplifica a necessidade de realização de uma lei dos concursos, "a seleção das bancas precisa seguir certos critérios, se uma instituição já possui histórico de problemas, ela não poderia ser escolhida para organizar novos certames. A própria Cesgranrio tem processos correndo na justiça que deveriam ser levados em consideração". A Anpac promove atualmente um abaixo assinado para incentivar a criação dessa lei e regularizar todos os concursos no País. Quem quiser participar pode se inscrever no site da associação.





Suspeitas de fraude


Dois dias após a realização das provas do concurso da Caixa, a 4ª Delegacia de Polícia do Guará (Distrito Federal) recebeu denúncias de que três caixas contendo os exames haviam sido desviadas e abandonadas em um terreno baldio - elas deveriam ter ido para Águas Claras e outros endereços.





Em nota de esclarecimento, a Fundação Cesgranrio afirma que não houve fraude, já que as caixas encontradas continham apenas lixo do concurso realizado. As caixas teriam sido descartadas sem consentimento da organizadora após a realização das provas. "Elas continham envelopes com provas em branco dos candidatos faltosos; ainda envelopes lacrados, correspondentes à reserva técnica; e também lacres utilizados, tudo sem qualquer valor acadêmico ou administrativo", afirma a nota. Por sua vez, a assessoria da Caixa Econômica Federal afirmou que apenas irá se manifestar sobre as suspeitas após a finalização das investigações policiais.





Sobre o concurso


A seleção foi uma das mais movimentadas do ano, registrou 1,1 milhão de inscritos em todo o país. O certame oferecia oportunidades de nível médio para formação de cadastro de reserva no cargo de técnico bancário. De acordo com o edital de abertura, os salários oferecidos são de R$ 1,7 mil. Além dos rendimentos, o documento trazia a possibilidade de participação nos lucros e resultados da instituição, oferecia plano de saúde e de previdência complementar, auxílio-alimentação e auxílio-cesta de alimentação. A jornada de trabalho seria de 6h diárias e 30 semanais. Os candidatos convocados iriam trabalhar com atendimento aos clientes e executar tarefas bancárias e administrativas.





Com informações do Correioweb 

Fonte: Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR

Postar um comentário

0 Comentários