Zara é destaque no Twitter por denúncia de trabalho escravo - Blog do Ronilson

Destaques

Home Top Ad

Post Top Ad

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Zara é destaque no Twitter por denúncia de trabalho escravo

 Funcionários terceirizados da grife espanhola estariam trabalhando em condições degradantes em São Paulo, segundo investigação
A Zara, renomada grife de origem espanhola, está no topo dos assuntos mais comentados do Twitter em virtude da divulgação do resultado das investigações da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE/SP), que encontraram trabalhadores em condições análogas à escravidão em São Paulo. O assunto está no topo dos Trending Topics brasileiros da rede social entre os não-patrocinados e chegou a figurar também entre os mais comentados do mundo.






Foto: Reprodução



A Zara no topo dos tópicos mais comentados no Twitter no Brasil (entre os não-patrocinados) na manhã desta quarta-feira




A operação foi acompanhada pela agência "Repórter Brasil" e foi exibida também no programa A Liga, da TV Bandeirantes, na noite desta terça-feira. Entre as denúncias apuradas na investigação estavam contratações ilegais, trabalho infantil, condições degradantes, jornadas de até 16 horas diárias e cerceamento de liberdade (seja pela cobrança e desconto irregular de dívidas dos salários, conhecido como "truck system", seja pela proibição de deixar o local de trabalho sem prévia autorização), segundo a Repórter Brasil.


Em uma das oficinas vistoriadas, foram encontradas seis pessoas, entre elas uma adolescente de 14 anos, em condições descritas como de trabalho escravo. No momento da fiscalização, informa a agência, os empregados finalizavam blusas da Coleção Primavera-Verão da Zara. Para cada peça feita, o dono da oficina recebia R$ 7. Os costureiros declararam que recebiam, em média, R$ 2 por peça costurada. Em 27 de junho, dia seguinte ao da ação, a reportagem foi até uma loja da Zara em São Paulo e encontrou uma blusa semelhante, fabricada originalmente na Espanha, sendo vendida por R$ 139.


A intermediária na contratação das duas oficinas em que houve libertações é a AHA Indústria e Comércio de Roupas. A Inditex, dona da Zara e de outras marcas de roupa, informou à agência que o caso envolvendo a AHA e as oficinas subcontratadas como "terceirização não-autorizada" que "violou seriamente" seu código de conduta para fabricantes. Fonte: IG


Nota do editor: textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados no espaço "comentários" não refletem necessariamente o pensamento do Portal Blog do Ronilson, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad